Meditação Vipassana

Vipassana, que significa ver as coisas como realmente são, é uma das mais antigas técnicas de meditação da Índia. Foi redescoberta por Buda Gotama há mais de 2500 anos e ensinada por ele como um remédio universal para males universais, ou seja, uma Arte de Viver. Essa técnica não sectária visa a total erradicação das impurezas mentais e a resultante suprema felicidade da liberação completa. A cura, não a mera cura de doenças, mas a cura essencial do sofrimento humano, é o seu propósito.

Vipassana é um caminho de autotransformação que utiliza a auto-observação. Foca a profunda interconexão entre mente e corpo, que pode ser experimentada diretamente pela atenção disciplinada às sensações físicas, que, por sua vez, constituem a vida do corpo e continuamente se interconectam e permitem a vida da mente. É essa jornada de autoconhecimento baseada na observação — que objetiva a raiz comum da mente e do corpo — a responsável pela dissolução das impurezas mentais, resultando numa mente em equilíbrio, cheia de amor e compaixão.

As leis científicas que regulam os pensamentos, sentimentos, julgamentos e sensações se tornam claras. Pela experiência direta, compreende-se a natureza de como se progride ou regride, como se produz ou se liberta do sofrimento. A vida começa a se caracterizar por consciência, libertação de ilusões, autocontrole e paz cada vez maiores.

A Tradição

Desde o tempo de Buda, Vipassana tem sido transmitida, até o presente momento, por uma ininterrupta cadeia de professores. Embora de origem indiana, o atual professor nesta cadeia, Sr. S.N. Goenka, nasceu e foi criado na Birmânia (Myanmar). Enquanto viveu lá, ele teve o privilégio de aprender Vipassana de seu professor, Sayagyi U Ba Khin que, naquela época, era um graduado funcionário público. Depois de ser treinado por seu professor durante quatorze anos, o Sr. Goenka se estabeleceu na Índia, iniciando seus ensinamentos de Vipassana em 1969. Desde então, ele tem ensinado a milhares de pessoas de todas as raças e credos, no ocidente e no oriente. Em 1982 ele começou a nomear professores assistentes para ajudá-lo a atender à demanda crescente por cursos de Vipassana.

Os Cursos

A técnica é ensinada em retiros de dez dias, durante os quais os participantes seguem o Código de Disciplina recomendado, aprendem os fundamentos do método e praticam o suficiente para experimentar seus resultados benéficos.

O curso requer trabalho sério e árduo. Há três passos no treinamento. O primeiro passo é abster-se — durante todo o curso — de matar, roubar, manter atividade sexual, mentir e se intoxicar. Esse simples código de conduta moral serve para acalmar a mente que, de outra forma, estaria muito agitada para executar a tarefa de auto-observação. O próximo passo é desenvolver o domínio da mente aprendendo a fixar a atenção na realidade natural do fluxo da respiração, sempre mutável, enquanto entra e sai das narinas. Ao quarto dia, a mente está mais clara e mais em foco, mais preparada, portanto, para empreender a prática de Vipassana em si: observar as sensações por todo o corpo, compreendendo sua natureza e desenvolvendo a equanimidade, aprendendo a não reagir a elas. Finalmente, no último dia os participantes aprendem a meditação de amor ou boa vontade frente a todas as coisas, quando a pureza desenvolvida durante o curso é partilhada com todos os seres.

Um vídeo curto (5.7 MB) sobre a observação da respiração e das sensações do corpo nesta técnica pode ser visto com o programa de vídeo gratuito QuickTime. A prática inteira é, na verdade, um treinamento mental. Exatamente como usamos exercícios físicos para melhorar a saúde de nosso corpo, Vipassana pode ser utilizado para desenvolver uma mente saudável.

Porque a técnica é considerada genuinamente proveitosa, muita ênfase é dada à preservação de sua forma autêntica, original. Ela não é ensinada comercialmente, mas, pelo contrário, é oferecida gratuitamente. Nenhuma pessoa envolvida nesse ensinamento recebe qualquer remuneração material. Não se cobra nada pelos cursos — nem mesmo para cobrir os custos de alimentação e acomodação. Todas as despesas são cobertas por doações de pessoas que, tendo completado um curso e experimentado os benefícios de Vipassana, desejam dar a outros a oportunidade de também se beneficiarem.

É claro, os resultados vêm gradualmente pela prática contínua. Não é realista nutrir a expectativa de que todos seus problemas sejam resolvidos em dez dias. Nesse tempo, entretanto, a essência de Vipassana pode ser aprendida de forma a ser aplicada na vida diária. Quanto mais se pratica a técnica, mais se é libertado do sofrimento, e mais se está próximo do objetivo final de liberação completa. Mesmo dez dias podem dar resultados vívidos e obviamente benéficos para a vida cotidiana.

Todas as pessoas sinceras são bem-vindas a participar de um curso de Vipassana para ver por si mesmas como a técnica funciona e para sentir seus benefícios. Cursos de Vipassana estão sendo conduzidos até mesmo em presídios, com grande sucesso e maravilhosos benefícios para os participantes. Todos que experimentam acham Vipassana uma ferramenta inestimável para atingir e repartir com outros a verdadeira felicidade.